Iate Clube de Santos sedia tradicional regata de 15 milhas náuticas

A primeira etapa da Copa ICS de Vela Oceânica será realizada no próximo sábado (24) com a Volta da Ilha das Cabras para veleiros da classe ORC, RGS nas categorias A, B e Mini 6,5.  O evento tem apoio da ABVO – Associação Brasileira de Veleiros de Oceano e deve reunir mais de 20 veleiros.

A largada está programada para 11h no Iate Clube de Santos e a regata terá 15 milhas náuticas. A previsão do tempo indica vento de fraca intensidade e muito calor na baixada santista.

Em 2023, o barco Phytoervas 4Z foi o vencedor da regata de estreia da temporada. A equipe ganhou a Volta da Ilha das Cabras no tempo corrigido da classe ORC e também foi a Fita-Azul, a primeira a cruzar a linha de chegada.

Os velejadores do Phytoervas dominaram a regata de ponta a ponta completando o percurso em 2 horas, 53 minutos e 13 segundos. Em segundo lugar ficou o Asbar 4 e em terceiro o Inaê Soto Transbrasa.

”A abertura da temporada 2024 da vela promete muito equilíbrio, como sempre, nas principais classes de oceano. As equipes paulistas entram com energia renovada para mais uma temporada repleta de regatas. Vamos ver como foram as atualizações de equipes e, principalmente, as novas e renovadas embarcações”, disse Bayard Neto, comodoro da ABVO e velejador.

Sobre a ABVO

Fundada em 1955, a Associação Brasileira de Veleiros de Oceano é a única entidade de promoção da Vela de Oceano no Brasil. Braço oficial da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), a ABVO é responsável por organizar competições anuais e contribuir para o legado de um dos esportes mais vitoriosos do país, tanto nas classes olímpicas quanto nas não olímpicas.

A ABVO tem o santista Bayard Umbuzeiro Neto como Comodoro, o bicampeão olímpico Torben Grael como 1º Vice-Comodoro, e Paulo Cezar Gonçalves, o Pileca, como 2º vice-Comodoro.

Dentre os objetivos da atual gestão, estão promover a otimização e a racionalização do calendário nacional, estreitar o relacionamento com os clubes para viabilizar eventos e agregar um maior número de barcos participantes das diversas flotilhas regionais, oferecer suporte técnico em todos os níveis para as competições, otimizar a apuração instantânea dos resultados e articular com o Governo Federal incentivos tributários e melhores condições para a importação de embarcações, entre outros.

Foto: Flávio Perez | On Board Sports

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here